" Os Campos de Oscilação são o pré-requisito para as transmissões a partir do Além para o nosso mundo e no nosso tempo padrão. Sem estes, as entidades do Além não seriam capazes de se comunicarem conosco. Certamente, eles estão sempre presentes e tentam entrar em contato com a gente, mas só quando nos abrimos para o amor queremos muito o contato, os campos de vibração podem se unir no nível espiritual, e o Além é capaz de se comunicar com este mundo. "

 

 Claus Schreiber

(Ponte entre o Aqui e o Além - Teoria e Prática da Transcomunicação - por Hildegard Schaefer)

 

 

Claus Schreiber (1923-1988)

 

 O pesquisador alemão Claus Schreiber era uma homem alegre e gentil e gostava de amigos e festas, mas sua vida foi marcada por grandes perdas e dificuldades econômicas. Sua infância, devido a II Guerra Mundial e ao desemprego de seu pai foi cercada de muita pobreza.

Ele se casou com sua primeira esposa Gertrud em 1946 e seu filho Robert nasceu no mesmo ano. Quatorze anos depois, 1960,  nasce sua filha Karin, a sua quarta criança. Gertrud faleceu logo após o parto, e Karin acabou sendo criada pelo irmão e cunhada de Klaus. Em 1968, aos 22 anos , Robert sofreu um acidente de motocicleta e não sobreviveu. A mãe de Claus faleceu aos 81 anos em 1977.  Karin , aos dezoito anos (1978), se feriu  no trabalho, não foi bem cuidada, e veio a falecer.  O sobrinho de Claus faleceu logo após Karin e sua cunhada não suportando a dor pela perda do filho, também morreu alguns meses depois. Seu cunhado, um soldado veterano, que foi gravemente ferido durante a Guerra se suicida.

Aos 59 anos, em 1982, o técnico em proteção contra o fogo Claus Schreiber se aposentou, devido a problemas de saúde como artrite e bronquite, permanecendo então em sua casa em Aachen. Alemanha.

Em uma manhã de 1982, escutou na  RTL (Rádio Télévision Luxembourg) o show "Incredible Stories"(Histórias Incríveis) sobre o Fenômeno de Voz  Eletrônica, foi o momento que mudou a sua vida. Claus, na mesma noite, durante uma reunião com amigos no porão de sua casa transformada em salão de festas,  resolveu comentar o que havia escutado pela manhã na rádio sobre o FVE. Após discussão e opiniões diversas, Claus decidiu fazer uma experiência. Pegou um gravador de fita cassete, colocou uma fita virgem e iniciou uma gravação, se dirigindo a Peter, um amigo falecido de todos os presentes na reunião. Para surpresa de todos, Peter responde: "Olá amigos"e a voz e o sotaque eram iguais aos dele. Esta foi a última festa no porão. Após este evento, Claus transformou seu porão em um laboratório para gravações de áudio e vídeo.

Durante seus experimentos de TCI ele logo escutou a voz de Karin, sua filha, que passou a intermediar os contatos com os outros familiares. Nos seus experimentos de voz, Claus utilizava o psicofone, inventado pelo engenheiro eletricista austríaco Franz Seidl. Ele também usava a mesma frequência de rádio  que  Friedrich Juergenson costumava usar.

Claus Schreiber não tinha nenhum conhecimento técnico, mas o grande amor que possuia por seus familiares no além criou a ponte necessária para que a comunicação se concretizasse.

Foi através das mensagens de áudio que Claus começou a receber as indicações para captar as imagens: "Nós viremos através da televisão", "Logo você nos verá na televisão"e "Klaus, aparecemos na TV em um canal vazio.".Em maio de 1984 ele recebeu a seguinte mensagem que o motivou a iniciar as pesquisas com imagem: "Gravar na TV."Ele tentou filmar a televisão em um canal vazio, e também captar imagens em slow-motion/fast-motion, mas não conseguiu resultados. Mais mensagens dos amigos do Além diziam a ele para direcionar a câmera de vídeo para a televisão e assim ele descobriu que a imagem da TV se repetia diversas vezes, como um espelho infinito. Gradualmente, sempre com a orientação do Além, ele começou a combinar equipamentos, como câmera de video, TV em preto e branco, gravadores de video e dois amplificadores de video (para melhorar a qualidade e resolução das imagens captadas).

 

 

Procedimento para gravação de imagens de acordo com Claus Schreiber

 1) Câmera de Video; 2)Amplificador de Video; 3 e 5) Gravador de video; 4 e 6) TV Branco e Preto; 7) Microfone de eletreto; 8) Amplificador de som; 9) Lâmpada UV; 10) Lâmpada de Infravermelho; 11) Papel alumínio comum.

 

Além das lâmpadas, o laboratório era iluminado por luz ambiente e natural, não era escuro. As lâmpadas UV, infravermelho e mais a iluminação do ambiente eram combinadas de certa forma para criar  um campo de energia e iluminar levemente a tela da televisão. O papel alumínio tinha a função de refletir a luz na tela da TV. Com a câmera de vídeo apontada para a TV e  conectada por um cabo tipo RCA, a câmera transmitia e filmava a imagem da própria TV, formando assim, um sistema de Realimentação, onde a imagem da televisão era repetida várias vezes, como um espelho infinito. Ao modificar a posição da câmera (ângulo e distância), aumentar ou diminuir o zoom, ajustar o foco e controlar o reflexo das luzes, ele obtinha na tela um tipo de efeito luminoso que periodicamente vibrava ou oscilava. O tempo de gravação era curto, apenas 1 a 3 minutos, pois o vídeo deveria ser analisado quadro a quadro, e consumia muito tempo. Durante o processo de análise do video ele separava as imagens que considerava interessantes e algumas delas ele filmava novamente e gravava em uma segunda fita de video, com a intenção de que as imagens se completassem ou que surgissem ainda outras imagens. Claus contou com a ajuda técnica do amigo e engenheiro Martin Wenzel. Wenzel sugeriu o usu de uma tira de papel de parede  que deveria cobrir 1/4 da largura da TV. Esse papel deveria ter padrões e contrastes o que gerou ainda mais imagens.

Foi assim , que  30 de setembro de 1985 entrou para a história da Transcomunicação, pois passou a ser possível não só ouvir os queridos no Além através das fitas magnéticas, mas também vê-los na tela da TV. Claus Schreiber deu o nome de "Vidicom" a esse Sistema. O pesquisador e físico alemão Prof. Dr. Ernest Senkowski que presenciou o fenômeno, disse que a semelhança entre as transimagens e fotos reais era tão grande que não deixava dúvidas.

Schreiber explicou que este procedimento ativava um campo "morfogenético" que se esforça para manter a similaridade com uma fotografia que servia de matriz. Para ele era um processo que poderia ser comparado ao que ocorre nos processos de materialização, onde os espíritos plasmam sua forma a partir do ectoplasma doado pelo médium.

Claus captou transimagens de muitos desconhecidos, mas também de familiares e famosos.

Em 1986 ele sofreu outro abalo, com o falecimento de sua segunda esposa, Agnes. Alguns dias depois ela lhe enviou uma imagem dela no Além.

Claus Schreiber era médium. Provavelmente, depois de tantas perdas em sua vida sua mediunidade se fortaleceu fazendo com que Claus ficasse mais sensível  e receptivo aos sinais vindos do Além. Ele acreditava que o amor e a vontade de ter o contato com os entes queridos no Além era o que realmente facilitava o processo, e não só a técnica.

No dia 07 de janeiro de 1988, Claus Schreiber fez sua passagem para o Além após sofrer um segundo ataque cardíaco, deixando uma das maiores coleções de transimagens do mundo. Seu amigo Martin Wenzel continuous trabalhando e com sucesso em  captar transimagens.

Em seu obituário estava escrito:

 

"Não existe morte. Existe apenas uma passagem para um outro nível de existência. Eu estou com vocês."

 

A confirmação veio logo durante o seu funeral, quando uma amiga captou sua voz em fita magnética. No ano seguinte a sua passagem ele transmitiu ao casal Harsch-Fischbach, transcomunicadores de Luxemburgo, uma imagem sua e de sua casa no Além, onde vive com seus familiares.

Segundo os transcomunicadores de Luxemburgo, Claus Schreiber continua transmitindo imagens do Além, na esperança de serem captadas por transcomunicadores aqui na Terra.

A filha e contato de Claus Schreiber no Além, Karin. A direita sua foto quando viva na Terra e a esquerda a transimagem dela viva no Além.

 

Transimagem de seu filho Robert. Acima a esquerda uma fotografia de quando ele era vivo na Terra.

 

Transimagem de Agnes, a segunda esposa de Claus Schreiber.

Pesquisador Claus Schreiber, demonstrando seu método para captação de Transimagens.

Fontes:

 

http://www.worlditc.org

https://www.youtube.com/user/Metavisione
 
"Breakthroughs in Technical Spirit Communication" - Dr. Theo Locher e Maggy Harsch-Fischbach - Luxemburgo.

"Ponte entre o Aqui e o Além - Teoria e Prática da Transcomunicação" - por Hildegard Schaefer.

© 2023 by Artist Corner. Proudly created with Wix.com